Treinamento resistido melhora a independência e a funcionalidade em idoso?


Idosos, são considerados no Brasil todas as pessoas acima 60 anos. Os idosos constituem o segmento populacional que cresce mais rapidamente, e com a expectativa de crescimento de 43 milhões em 2012 para 84 milhões em 2050. A perda da massa muscular (chamada sarcopenia), força muscular (dinapenia) e da performance neuromuscular com a idade levam os idosos a reduzir a independência física, diminuir a funcionalidade, aumentar o risco de quedas e consequentemente o declínio na qualidade de vida. 

As quedas não fazem parte do processo normal de envelhecimento, mas são frequentes na população idosa, em especial em mulheres. É a primeira causa de morte por lesão traumática não intencional e a terceira causa de morte em idosos acima de 65 anos. Idosos que apresentaram mais de duas quedas no último ano deverão passar obrigatoriamente por uma avaliação geriátrica. Manter a independência (capacidade de realizar algo com os próprios meios) e autonomia (capacidade individual de decisão e comando sobre as ações) são mais importantes que a própria expectativa de envelhecimento. 

Reduzir a proporção de idosos com moderada a severa limitação funcional deve ser um objetivo de saúde pública. O treinamento resistido tem sido provado como uma modalidade efetiva para a manutenção da funcionalidade e independência aos idosos. Porém ainda hoje, muitos profissionais da área de saúde não sabem como orientar seus pacientes a realizar o treinamento resistido. Com os diferentes tipos de treinamento resistido (treino de hipertrofia, força, explosão e resistência), podemos otimizar uma grande variedade de repostas fisiológicas. Vale ressaltar que o treinamento resistido é bastante seguro, devido ao controle de todas as variáveis do treinamento.

A manipulação cuidadosa dessas variáveis de treinamento permite projetos de exercícios prescritivos direcionados que podem atender às necessidades particulares de cada indivíduo idoso.

Por tudo isso, o ideal é que a equipe que assiste esse indivíduo (médico, nutricionista, educador físico e fisioterapeuta) deve estar sempre alinhada e em contato frequente para que os objetivos sejam alcançados com a máxima segurança trazendo os melhores benefícios.

Dr. Marcelo Starling, nosso Fisiatra e Geriatra