Hérnia de disco lombar


Por Dr. Carlos Trindade, Clínica da Dor

Hérnia é qualquer deslocamento anormal de alguma parte do organismo através de um orifício não natural. Na hérnia de disco lombar, esse deslocamento ocorre na estrutura interna do disco intervertebral que, como o próprio nome diz, se situa entre duas das cinco vértebras lombares, nomeadas de L1 a L5, podendo, também, envolver raizes sacrais, como S1. Dependendo do tamanho da hérnia e da localização, poderá haver compressão e/ou inflamação das raízes lombares e saco dural, levando ao aparecimento de dor lombar isolada, dor no membro inferior, ou a associação das duas, conhecida como lombociatalgia, que é a apresentação mais comum da hérnia de disco lombar.    

Quais as causas?  

O disco intervertebral representa importante papel na mobilidade e estabilidade da coluna lombar. Ele é composto de uma série de estruturas capazes de conferir resistência periférica às forças de tensão e resistência às forças de compressão. Qualquer condição que aumente a pressão intradiscal além da capacidade do disco pode provocar herniação. Posições que aliviam a pressão no disco, como posição deitada, são melhor toleradas pelos pacientes. Alguns fatores de risco estão associados, como exposição prolongada à cargas repetidas e tabagismo. Estudos têm demonstrado, também, predisposição genética à hernia de disco. Inicialemente, ocorre o envelhecimento e degeneração do disco intervertebral, levando à formação de fissuras por perda da capacidade elástica. Com a perpetuação das forças axias, de flexão e torção, e o aumento da pressão intradiscal, a estrutura interior do disco é deslocada para fora, levando ao aparecimento da hérnia de disco lombar. A presença desse fragmento herniado, juntamente com outros compostos intradiscais, leva ao surgimento de inflamação e à compressão da raiz nervosa lombar, que passa adjacente à região herniada.    

Tenho hérnia de disco. Preciso operar?  

A maioria absoluta das hérnias de disco lombar podem e devem ser tratadas clinicamente.  O grande fator limitante é a dor que, na maioria das vezes, consegue ser controlada com medicação oral. O objetivo é a adequação da medicação aos sinais e sintomas do paciente em questão; dois pacientes com hérnia de disco podem ser tratados, com êxito, utilizando medicações de classe completamente distintas. Quando não controladas por medicamentos via oral, podemos lançar mão de outros artifícios para tratamento, como os bloqueios/infiltrações peridurais. A infiltração ou bloqueio peridural, consiste na colocação de medicação analgésica e antinflamatória próximo ao local da herniação, com o objetivo de eliminar a dor e tratar a inflamação, liberando o paciente para as atividades habituais diárias. Alguns casos específicos, que cursam com alterações neurológicas graves, podem necessitar de tratamento cirúrgico.    

Como o Clínico da Dor atua na hérnia de disco?      

Além de atuar no alívio do dor propriamente dita, o clínico da dor identifica sinais de gravidade e malignidade, avalia sinais e sintomas associados,  o grau de limitação das atividades habituais diárias e impacto psicológico da doença. O tratamento respeita o paciente em sua individualidade, baseando-se no tipo de dor encontrada, intensidade dolorosa, grau de limitação e estado de humor. Evitamos intervenções e cirurgias desnecessárias e/ou superindicadas na maioria dos pacientes. Caso o tratamento conservador esteja insatisfatório, bloqueios anestésicos peridurais e/ou infiltração de trigger points (em caso de dor miofascial associada) podem ser indicados a fim de tirar o paciente do quadro de dor aguda e da limitação física intensa, para que a reabilitação ocorra com maior tranquilidade.    

Atividade física e Hérnia de disco:   

A atividade física que fortalece a musculatura abdominal e lombar (musculatura do "core") é válida na medida que alivia as cargas de pressão intradiscal por estabilização das estruturas musculares adjacentes à região da hérnia. Muitos pacientes com hérnias pequenas saem das crises de dor aguda apenas fazendo atividade física diária orientada para o problema. Programas de fisioterapia como Pilates, Mackenzie e Osteopatia são também muito úteis na recuperação e restabelecimento da integridade mecânica da coluna.